Camarões com Champagne e Erva-Doce

Eu amo jantares no meio da semana

Nada mais gostoso fazer de conta que quinta-feira virou sábado e ir na casa de quem se gosta dar risada, beber e cozinhar alguma coisa gostosa. Apesar de parecer ser uma coisa simples de fazer – ir na casa de alguém pra um jantar – você só consegue fazer de uma forma completa onde possa tirar os sapatos e ficar andando descalço pela casa ou quando pode abrir a geladeira do cujo e reclamar com gosto, de que ele não comprou cerveja suficiente pra ocasião ou que anda comendo margarina, arremessando o pote da desgraça moderna no lixo.

As compras eu havia levado de casa, mas o camarão meu pai havia trazido de Vitória, pra onde ele se mudou. Umas coisa lindas: Com a carne firme, coloração rosada e um cheiro levemente adocicado mostravam que tinham sido tirados do mar a muito pouco tempo e que iam casar muito bem com o molho delicado que havia escolhido. O trabalho maior na receita é fazer o molho, depois dele pronto a coisa toma forma sozinha deixando você livre pra aproveitar. Tem coisa melhor?

Camarões com Champagne e Erva-Doce

Ingredientes:

–  1 Kg de camarão

– 2 Erva-Doces grandes

– 2 cebolas grandes

– 200 ml de champagne (não precisa ser de primeira)

– 30 gr de manteiga

– 200 ml de creme de leite fresco

– Cebolete a gosto

– Sal a gosto

– Pimenta do reino moída na hora a gosto

Modo de Preparo:

Vamos lá, essa vai ser muuuuuito fácil e das melhores. O único trabalho prévio que você vai ter é picar a erva-doce e a cebola. Depois disso, é só alegria. Pique ambas em cubos pequenos e deixe reservado. Quem fez esse trabalho foi meu pai, já que nessa hora eu tinha saído pra comprar mais cerveja.

Com tudo picado comece aquecendo uma panela média com a manteiga e acrescentando a cebola, fazendo aquele barulhinho gostoso.

Frite a cebola na manteiga com o fogo alto, esperando que ela murche e fique translúcida. Quando isso acontecer, é hora de entrar com a erva-doce.

Com o fogo ainda alto frite a erva-doce até que ela fique macia, mas não desmanchando. Tenha sempre em mente que você ainda vai levar todos esses ingredientes ao forno, ou seja, se eles ficarem completamente cozidos vão desmanchar no calor do forno e não formar um molho com diferentes texturas e uma personalidade vibrante.

Quando a erva-doce ficar macia mas ainda crocante – não dá pra saber se você não provar! – acrescente o champagne e reduza o fogo até o mínimo.

Reduza o champagne até a metade do seu volume original, ou seja,  deixe ferver até que ele seque pela metade. É importante que você faça isso em fogo baixo, pois a cebola e a erva-doce vão ter tempo de soltar o seu sabor e assim compor todas as notas do molho. Não fique com pressa ou aflito, tenha paciência que vale a pena.

Quando o volume do champagne baixar acrescente o creme de leite, quem tem a função de deixar o molho aveludado e brilhante.

Reduza o volume – lembra? – do creme de leite até a metade e com a ajuda de uma tesoura, pique a cebolete diretamente sobre o molho. Não precisa ficar exato, certinho, medido – coisa mais chata – só corte os pedaços do mesmo tamanho que está tudo certo.

Acerte o sal e a pimenta-do-reino no molho, mexa para incorporar o cebolete e pronto, hora de casar ele com os camarões! Tempere os lindos bichinhos com sal e pimenta do reino a gosto…

E cubra-os com o molho, não deixando nenhum de fora.

Pré-aqueça o seu forno a 180 graus e mande os camarões pra dentro. E importante que nessa hora você não saia de perto do forno, pois como o camarão é muito delicado ele cozinha muito rápido. Não existe um tempo exato, mas leva cerca de 3 minutos – sério, é rápido assim! – pra que eles fiquem prontos. O melhor forma de saber se estão corretos e pressionando com o dedo e sentindo a textura da carne. Ela deve estar macia, mas levemente resistente.

Quando atingir o ponto, sirva na mesma hora ou o calor do molho vai continuar cozinhando os coitados.

Bem que a semana podia acabar na quinta.

Dicas,Receitas — Tags:, , , , , , , , — Gustavo @ 30 de julho de 2010

Domingo

Pode parecer estranho, mas sou uma pessoa que gosta de calor.

Mas não pense que falo daquele calor de ônibus lotado na praça Ramos com o termômetro em 32 graus, todas as janelas trancadas e o máximo de pessoas em pé se espremendo dentro, tentando com o seu máximo imaginar o fim daquilo tudo.

Gosto do calor de bate-papo furado com amigos, de cervejas geladas dentro de um tanque de lavar roupas transbordando de gelo e água. Daquele calor de fazer uma jarra de caipirinha sem culpa ou mesmo mentir pro seu chefe pra ir à praia.

Já que estamos passando por um calor desses hoje em São Paulo em um domingo com sol, risadas durante toda a tarde, um cochilo e uma chuva demais de boa no final na noite, vou mostrar o que fiz aqui em casa para o jantar. Algo bem leve, mas picante, que vai te deixar pronto pra sem-graça, chata e pentelhenta segunda-feira.

A receita é crua, não tem nada cozido, bem porque eu que não ia ficar esquentando a barriga na beira do fogão nessa altura do campeonato. Os ingredientes são frescos, ricos em sabor e personalidade e tudo é preparado pra se comer com as mãos, sem camisa e sentado na frente do ventilador.

Brusquetas de tomates, cebola roxa e hortelã

Ingredientes:

– 1 cebola roxa pequena

– 1 tomate italiano bem maduro

– 2 dentes de alho

– folhas de hortelã a gosto

– Sal a gosto

– Pimenta do reino moída na hora a gosto

– Azeite de oliva extra-virgem a gosto

Modo de preparo:

Comece picando os dentes de alho em pedaços que você possa morder e realmente sentir a textura. Nada de pasta, se não perde a graça. Corte então a cebola roxa em fatias finas e os tomates em fatias grosseiras, pra que ofereçam alguma resistência na hora de morder.

Cebola, tomate e alho

Cebola, tomate e alho

Em um pilão – caso não tenha, por favor, faça um favor a sí mesmo e compre um  – coloque os dentes de alho e cerca de duas colheres de sopa de azeite. Macere levemente não com a idéia de triturar o alho, mas sim de fazer com que os óleos do alho passem para o azeite. Deixe então descansar  por alguns minutos.

Tirando o gosto

Tirando o gosto

Depois disso tudo é um passeio: Em uma fatia de pão italiano daquelas de fazer inveja mande uma bela quantidade de azeite e só uma lembrança de pimenta do reino moída na hora. Eu por preferência e criação portuguesa, só uso azeite da terrinha, mas acredito que aqui um azeite grego ou turco não faria feio.

A base é essa

A base é essa

Em seguida leve a fatia de pão ao forno pra dar uma tostada e conseguir aquela cor bonita e a textura bem crocante. Saindo do forno espalhe o alho macerado, arrume as fatias de tomate por cima , a cebola solta em pequenos julietes e por fim as folhas de hortelã.

Tcham-Tcham!

Regue tudo com mais azeite e nada mais. Tenha já pronta uma cerveja muito gelada perto de você porque o gosto vai ser forte, mas muito refrescante por causa da hortelã.

Depois só desmaiando.

chefaporter.com.br | powered by WordPress with Grace Comunicação