O pão, manteiga, porco, feijão, ovo, peixe e por aí vai, nosso de cada dia

Diferente dos outros posts, onde costumo pegar todo mundo pela mãe e ensinar todos os passos da receita, nesse vou falar sobre a pessoa que divide comigo não só a cama, as alegrias, as contas e um Dako 6 bocas lindos de morrer, mas também toda uma vida, em volta da minha paixão desde que me entendo por gente: Comida.

Não vou entrar em detalhes de como a conheci, como começamos a namorar ou coisa do tipo, porque afinal, isso não é da sua conta. O que interesse de verdade é eu tentar explicar o quanto é maravilhoso, único e raro dividir a vida com alguém que você ama, e que também ama aquilo que você ama. Deu pra entender?

É mais ou menos assim:

Seis indicadores de que você ama alguém, que também ama comida  (todos reais lá em casa)

1 – Almoça/janta duas vezes seguidas, em dois lugares diferentes, e não vê problema nisso.

2 – Os dois cultivam um frezeer lotado com todos os grupos alimentares que existem. Do tucupí a massa folhada.

3 – Conversam pouco ou nada enquanto comem, e acham isso maravilhoso

4 – Comem, sem problemas, uma feijoada no buy priligy online jantar (afinal, é quarta-feira)

5 – Praticamente colecionam tipos de massa de macarrão, chegando a ter mais de 15

6 – Tem uma gata (gorda) chamada farofa

Claro que toda a comida, a comilança, e tudo que a acompanha, não acontece nos restaurantes da cidade. Grande parte dela floresce na nossa cozinha, sendo tudo preparado por nós mesmos, entre os dias que vão em vem. Quando estou enrolado com algum evento, lá vai ela pra cozinha fazer o melhor peixe com molho de coco e alho poró que existe, coberto com “A” farofa de pão. Claro, com pimenta. Quando é ela que está se descabelando em frente ao computador, correndo contra os prazos das matérias, sou eu que corro pro fogão fazer a santíssima trindade, capaz de melhorar o humor dela no mais tosco dos dias: Arroz, feijão e carne moída (saladinha de tomate com salsinha também acompanha, correndo por fora).

Maaaaaassssssssss, o que acontece de vez em quando, é um pedido especial, um agrado que um faz pro outro. No meu caso, o favorito da casa até hoje é costelinha de leitão assada por uma caralhadas de horas, vinagrete de jiló, farinha de mandioca e pamonha de panela com queijo minas. Pra mim, na vida, é a única coisa que consegue ganhar de manteiga.

Já ela, prefere um fruto do mar. Pequenas moedinhas gorduchas, crocantes por fora e doces por dentro.

Vieiras.

E como fazia tempo que não acontecia um agrado aqui em casa, lá fui eu. Comprei vieiras fresquinhas, ainda vivas, e juntei com ingredientes que conheci com ela, e que hoje, não vivo sem.

O resultado foi esse:

IMG_9198Na foto: Vieiras ; vinagrete de jiló e cebola roxa ; farinha de mandioca goiana crocante

E mais uma vez, fiz a alegria de quem faz a minha vida mais gostosa e incrivelmente feliz, todos os dias.

Paladar do Brasil

No ano passado eu perdi, mas nesse não troco nem por pudim de leite

O evento  que leva o nome do meu caderno predileto sobre comilança, publicado toda quinta-feira pelo jornal Estado de São Paulo, chega mais uma vez com a idéia de debater e refletir sobre os rumos e caminhos da gastronomia no nosso país, além do que anda acontecendo fora daqui.

Dos dias 29 de Julho a 1 de Agosto, diversos chefs e cozinheiros vão se reunir no hotel Grand Hyatt de São Paulo e mostrar o que anda rolando pelas suas cozinhas através de palestras e workshops. Quem quiser ir um pouco mais além, pode participar das degustações e da programação gastronômica. São dezenas de opções pra você escolher, além de palestras com especialistas de diversas áreas, desde vinho e cerveja até pessoas que construiram suas vidas, em cima dos restaurantes que abriram.

Você pode conferir a programação completa de todos os eventos no site do Paladar Brasil e o que e melhor, comprar as entradas pela internet! Mais preguiça que isso, só bolinho de chuva.

Dicas — Tags:, , , , , , — Gustavo @ 21 de julho de 2010

@Rangocamp, Chef-à-Porter e Um Jantar Em Uma Hora

E buy clomid lá fomos nós comer, beber e cozinhar… Tem coisa melhor?

Nesse domingo aconteceu na incrível cozinha da Matilde o primeiro @rangocamp ou “todos os blogueiros que falam sobre comida, dentro de uma casa mais do que gostosa, cozinhando, comendo, bebendo e conversando como se o mundo fosse acabar amanhã”. A idéia do encontro é que cada um trouxesse um prato pronto de casa ou cozinhasse alguma coisa lá mesmo, em uma hora, usando os fogões, forno a lenha ou churrasqueira que estariam à disposição dos comilões.

Fiquei pensando: Uma hora, uma hora… Mas em uma hora dá pra fazer uma refeição completa! E foi essa a minha idéia-desafio, mostrar que com uma hora, 60 minutos, 3.600 segundos você consegue preparar uma refeição de três tempos (entrada, prato principal e sobremesa) e impressionar até aquele seu amigo mala, que fica dizendo que a comida demorou.

O menu preparado foi o clomid online seguinte:

Entrada: Salada morna de batatas com surubim defumado, jambú e dill.

Pratro principal: Saint Peter no papilote com leite de coco, cebolas roxas, alho poró e cogumelos

Sobremesa: Cartola (não é a de por na cabeça, mas o doce pernambucano de banana e queijo coalho)

Pra mostrar que a coisa era totalmente possível de ser feita sem pressa, afobação, desespero e caos completo na cozinha, levei todos os ingredientes em estado bruto e os lapidei lá.

A grande sacada quando você está fazendo diversos pratos ao mesmo tempo – e isso demorou algum tempo pra eu perceber e conseguir executar com sucesso – é que todos os seus movimentos e ações devem ser pensados. O tempo de cozimento de alguns alimentos dá espaço para que você faça outra coisa. Re-trabalhos também devem ser evitados, já que a coisa mais improdutiva dentro de uma cozinha é fazer a mesma coisa duas vezes. Uma dose de  organização também ajuda a não transformar a sua bancada na segunda guerra mundial e atenção e limpeza garantem que você e a sua cozinha – que é o que mais importa, já que é você que vai limpar ela no final – não fiquem inteiros manchados ou sujos de respingos de molho ou coisa parecida. Então vamos lá, recapitulando:

1 – Calma! Pense em todos os passos e como irá executá-los

2 – Organize o seu espaço de trabalho com todos os utensílios e ingredientes que vai usar

3 – Ponha uma música ou faça um drink pra acompanhar. Ajuda bastante também!

Excepcionalmente nesse post não vou mostrar como se faz os pratos passo a passo, afinal, temos só uma hora pra fazer a coisa acontecer e as pessoas já vieram xeretar o que você está fazendo.

Para que você entenda por completo a dinâmica da coisa, não leia, repito, não leia o texto inteiro de uma só vez. Obedeça ao vai e vem e a correria da cozinha. Não se preocupe, você vai entender.

Vamos lá!

Entrada: Salada morna de batatas com surubim defumado, jambú e dill.

Ingredientes:

–  500 gr de batatas bolinha

– 100 gr de surubim defumado

– 1 punhado de dill

– 1 punhado de jambú (aquela erva amazônica famosa que amortece a boca)

– Sal a gosto

– Pimenta do reino moída na levitra online hora a gosto

– Azeite extra virgem a gosto

Modo de Preparo:

Lave as batatas e as coloque para cozinhar com casca em um litro de água com sal a gosto. Lembra do que eu falei sobre o tempo de cozimento dos ingredientes? Enquanto a batata cozinha, você faz o prato principal! Corre pra lá!

Hiiiii…ainda estão um pouco duras. Mas tudo bem, nesse tempo você faz a sobremesa! Veja lá embaixo como é rápido!

Não falei? Estão cozidas mais ainda firmes. Escorra as batatas e sobre a uma tábua, dê pequenos murros  para que fiquem amassadas. Assim os sabores que você vai acrescentar irão penetrar melhor e garantir um resultado fantástico. Em uma vasilha tempere as batatas com sal, pimenta do reino moída na hora, o jambú e o dill picados. Rasgue as fatias de surubim defumado com as mãos e acrescente as batatas, além de uma porção generosa de azeite. Mexa vigorosamente para que o sabor penetre nas batatas e deixe descansando por alguns minutos, cobrindo o recipiente com plástico filme, concentrando todo o seu aroma, calor e sabor.

Agora é só por a mesa e seguir a ordem que está lá em baixo!

Prato Principal: Saint Peter no papilote com leite de coco, cebolas roxas, alho poró e cogumelos

Ingredientes:

– 2 filés de Saint Peter Limpos e sem espinhas

– 1 talo de alho poro

– 2 cebolas roxas grandes

– 16 cogumelos shitake de tamanho médio

– 1 garrafa pequena de leite de coco

– 2 dentes de alho

– 2 pimentas de cheiro

– Sal a gosto

– Pimenta do reino moída na hora a gosto

– Papel manteiga para cozinha

Modo de Preparo:

Enquanto a batata cozinha corte o alho poro, as cebolas e o alho em fatias finas. Aqueça uma frigideira com um pouco de azeite, adicione a cebola e cozinhe até que fique levemente translúcida. Junte então o alho, o alho poro e cozinhe até que fiquem macios, mas com a sua cor original. Junte então o leite de coco, as pimentas de cheiro picadas e deixe o molho cozinhar levemente em fogo brando.

Enquanto a mágica acontece no molho, retire o cabo dos cogumelos, lave-os e coloque quatro deles no sentido de uma fila sobre um quadrado de 20 cm por 20 cm de papel manteiga. Tempere o filé de peixe com sal e pimenta do reino moído na hora e deite-o sobre os cogumelos. Nesse tempo, o molho já está pronto! Mexa bem para incorporar todos os sabores, acerte o sal e cubra o filé de peixe com ele, espalhando mais quatro cogumelos sobre o molho. Dobre o papel manteiga na forma de um envelope – da forma como você preferir, só não rasgue o papel pelo amor de deus, ou o molho vai vazar todo – e coloque sobre uma assadeira. Repita o processo com o outro filé e leve os dois ao forno a 130 graus até que os envelopes fiquem estufados.

Pronto, um já foi, faltam dois. Como será que estão as batatas, vamos ver? Volte lá pra receita delas…

Cartola

Ingredientes:

– 5 bananas maça maduras

milf porn 100 gr de açúcar

– Canela em pó a gosto

– 100 gr de queijo de coalho

Modo de Preparo:

Em uma frigi propecia online deira espalhe o açúcar e faça um caramelo claro, despejando-o no fundo de uma assadeira. Descasque e corte as bananas no sentido do comprimento, arrumando uma a uma dentro de uma assadeira. Não precisa ficar direitinho, só garanta que todas elas fiquem no mesmo nível. Salpique com canela em pó a gosto e cubra com fatias finas de queijo de coalho. Não leve ao forno ainda, se não os aromas vão se misturar no forno – lembra que o peixe está lá? – e você vai comer uma sobremesa com gosto de moqueca. Credo.

Volta lá pra entrada, aposto que as batatas já estão no ponto!

Pronto! Se você conseguiu seguir a programação, digamos assim, a salada já está pronta pra ser atacada, o peixe está quase no ponto e a sobremesa está montada e pronta pra entrar no forno. Sirva as batatas e quando você tiver acabado, o peixe já vai estar pronto.

Sirva o peixe e coma sem pressa ou preocupação, você já correu demais por hoje! Quando tiver chegado ao fim, coloque a sobremesa no forno e aproveite o tempo pra tirar os pratos da mesa, o que deve demorar uns 3 minutos.

Quando os pratos de sobremesa já estiverem postos, sirva a sobremesa.

Não falei que dava tempo de tudo?

Próxima Página »
chefaporter.com.br | powered buy propecia online by WordPress with Grace Comunicação