Vinho pra Tudo: Robalo com Purê de Cenoura, Beurre Blanc de Erva Doce

“Não existe amor mais sincero do que aquele pela comida”. Bernard Shaw disse isso. Provavelmente sentado no fundo de algum pub em uma mesa carcomida pelo tempo, enquanto soluçava o último gole de cerveja, olhava pro fundo do copo e pensava na torta de rim que logo esfumaçaria o salão e chamaria a atenção dos bêbados habituais do lugar.

Eu amo comer. Vamos deixar isso bem claro. Mas também amo beber. E quando a Casa Flora me convidou pra cozinhar e beber ao mesmo tempo, não teve como dizer não.

Vinho pra mim é algo – não uma coisa, por favor – que transborda do copo na hora que você roda sobre a mesa, espalhando pelo lugar sua personalidade e vontades. Pode ser como alguém que faz você ficar abismado pela forma como sorri, uma amiga gostosa que usa um vestido de fácil acesso e convida você pra um passeio pelo jardim ou uma criança pequena que aperta a sua mão com medo, mas com a certeza de que logo, tudo vai ficar bem.

Vinho é como aquela montanha-russa foda pra caralho, mas que você não pode deixar de ir. Vale a pena cada instante.

Pra melhorar, só comendo algo que faça a gente fechar os olhos, se calar por um instante e só se sentir bem, seja com os amigos sentados a mesa ou mesmo sozinho, como tantas vezes eu fiz mesmo depois de voltar do restaurante, tendo passado horas e horas com o umbigo encostado no fogão, suando as bicas e atacando comanda atrás de comanda.

Cozinhei um robalo com purê de cenoura e beurre-blanc de erva doce que fez a minha alegria, como espero que tenha feito a noite de quem provou. Dessa vez, não tem receita, mas a minha pessoa e a gigantesca cabeça que ostento falando da experiência. Dá só uma olhada:

Ficou interessado? Dá pra saber aprender muito mais na página da Casa Flora.

Camarões com Champagne e Erva-Doce

Eu amo jantares no meio da semana

Nada mais gostoso fazer de conta que quinta-feira virou sábado e ir na casa de quem se gosta dar risada, beber e cozinhar alguma coisa gostosa. Apesar de parecer ser uma coisa simples de fazer – ir na casa de alguém pra um jantar – você só consegue fazer de uma forma completa onde possa tirar os sapatos e ficar andando descalço pela casa ou quando pode abrir a geladeira do cujo e reclamar com gosto, de que ele não comprou cerveja suficiente pra ocasião ou que anda comendo margarina, arremessando o pote da desgraça moderna no lixo.

As compras eu havia levado de buy generic propecia online casa, mas o camarão meu pai havia trazido de Vitória, pra onde ele se mudou. Umas coisa lindas: Com a carne firme, coloração rosada e um cheiro levemente adocicado mostravam que tinham sido tirados do mar a muito pouco tempo e que iam casar muito bem com o molho delicado que havia escolhido. O trabalho maior na receita é fazer o molho, depois dele pronto a coisa toma forma sozinha deixando você livre pra aproveitar. Tem coisa melhor?

Camarões com Champagne e Erva-Doce

Ingredientes:

–  1 Kg de camarão

– 2 Erva-Doces grandes

– 2 cebolas grandes

– 200 ml de champagne (não precisa ser de primeira)

– 30 gr de manteiga

– 200 ml de creme de leite fresco

– Cebolete a gosto

– Sal a gosto

– Pimenta do reino moída na hora a gosto

Modo de Preparo:

Vamos lá, essa vai ser muuuuuito fácil e das melhores. O único trabalho prévio que você vai ter é picar a erva-doce e a cebola. Depois disso, é só alegria. Pique ambas em cubos pequenos e deixe reservado. Quem fez esse trabalho foi meu pai, já que nessa hora eu tinha saído pra comprar mais cerveja.

Com tudo picado comece aquecendo uma panela média com a manteiga e acrescentando a cebola, fazendo aquele barulhinho gostoso.

Frite a cebola na manteiga com o fogo alto, esperando que ela murche e fique translúcida. Quando isso acontecer, é hora de entrar com a erva-doce.

Com o fogo ainda alto frite a erva-doce até que ela fique macia, mas não desmanchando. Tenha sempre em mente que você ainda vai levar todos esses ingredientes ao forno, ou seja, se eles ficarem completamente cozidos vão desmanchar no calor do forno e não formar um molho com diferentes texturas e uma personalidade vibrante.

Quando a erva-doce ficar macia mas ainda crocante – não dá pra saber se você não provar! – acrescente o champagne e reduza o fogo até o mínimo.

Reduza o champagne até a metade do seu volume original, ou seja,  deixe ferver até que ele seque pela metade. É importante que propecia online você faça isso em fogo baixo, pois a cebola e a erva-doce vão ter tempo de soltar o seu sabor e assim compor todas as notas do molho. Não fique com pressa ou aflito, tenha paciência que vale a pena.

Quando o volume do champagne baixar acrescente o creme de leite, quem tem a função de deixar o molho aveludado e brilhante.

Reduza o volume – lembra? – do creme de leite até a metade e com a ajuda de uma tesoura, pique a cebolete diretamente sobre o molho. Não precisa ficar exato, certinho, medido – coisa mais chata – só corte os pedaços do mesmo tamanho que está tudo certo.

Acerte o sal e a pimenta-do-reino no molho, mexa para incorporar o cebolete e pronto, hora de casar ele com os camarões! Tempere os lindos bichinhos com sal e pimenta do reino a gosto…

E cubra-os com o molho, não deixando nenhum de fora.

Pré-aqueça o seu forno a 180 graus e mande os camarões pra dentro. E importante que nessa hora você não saia de perto do forno, pois como o camarão é muito delicado ele cozinha muito rápido. Não existe um tempo exato, mas leva cerca de 3 minutos – sério, é rápido assim! – pra que eles fiquem prontos. O melhor forma de saber se estão corretos e pressionando com o dedo e sentindo a textura da carne. Ela deve estar macia, mas levemente resistente.

Quando atingir o ponto, sirva na mesma hora ou o calor do molho vai continuar cozinhando os coitados.

Bem que a semana podia acabar na quinta.

Dicas,Receitas — Tags:, , , , , , , , — Gustavo @ 30 de julho de 2010

A Primeira Harmonização de Chá com Quitutes Que Se Tem Notícia – Parte I

- Ela tem um blog de chás.

– Como assim? Ela fala só sobre chá?

– Isso, é uma coisa que você precisa conhecer. Ela caça e vai atrás de todo tipo de chá e fica provando em casa. Mas é daqueles soltinho, não do de saquinho que você compra pronto.

Nunca pensei que alguém já tivesse tido essa idéia, mas por sorte e graças a são Benedito, ela já tinha brotado na cabeça de alguém.

Dias mais tarde, com o endereço do blog fiquei conhecendo o incrível Rota do Chá, que falava tudo sobre infusões e detalhes bastante específicos da bebida preferida dos chineses. Lia, lia, lia…Quanto mais eu lia, mais eu pensava em qual tipo de quitute (bolinho, torta, biscoito) combinava melhor com os chás, até que me veio a idéia: Eu nunca vi uma harmonização de chá das 5, porque não fazer uma? Escrevi pra Hanny – a dona e mestre no assunto – e propus a idéia, que foi abraçada de primeira. Chamei as amigas Leonora de Mauro do Foie Gras Literário e a Larissa Januário do Sem Medida pra darem uma mão nas receitas que íamos preparar e devorar. Claro, porque mandar pra dentro um chá das cinco completo de uma só vez requer, além de um apetite de refugiado, boa companhia e muitas risadas.

Fizemos no total seis quitutes – que não vou falar quais são – harmonizamos com seis chás – que não vou falar também quais são – e reunimos tudo numa fria e cinzenta tarde de domingo. Nas próximas semanas você confere aqui no Chef-à-Porter e no blogs das geniosas meninas acima, como foi o nosso encontro e claro, o que acharam da comilança.

Uma das harmonizações que fizemos nesse dia foi uma broa de fubá caseira, que ficou muito bem acompanhado pelo incrível Lapsang Souchong, um chá preto chinês defumado, muito aromático e com um bouquet incrível de madeira tostada e chocolate.

Broa de Fubá
Ingredientes:

– 500 gr de farinha de trigo

– 250 ml de água

buy priligy online 40 de fermento biológico

– 10 gr clomid online de sal

– 75 gr de açúcar

– 25 gr de manteiga em temperatura ambiente

– 2 ovos inteiros

R milf porn 11; 1 colher de sopa cheia de semente de erva doce

– 150 gr de fubá

– 100 gr de queijo meia cura ralado

Modo de Preparo:

Fazer pão em casa é uma das poucos – se não a única – que eu gosto de fazer quanto estou meio puto com alguma coisa. Não porque você pode fazer de qualquer jeito, mas sim porque quanto mais você socar e amassar a massa do pão, mais leve e aerada ela vai ficar.

Em uma vasilha grande, misture todos os ingredientes secos.

Aqueça a água até que esteja morna – entende-se morna que você consiga colocar e manter o dedo dentro dela sem se queimar – e junte a ela o fermento biológico. É muito, muito, muito importante que você não deixe a água quente demais, já que a alta temperatura mata os microorganismos do fermento, o que não faria o pão crescer, mas sim virar uma lástima. Junte então os ovos, a manteiga e misture até que a massa quando prensada com as mãos, fique compacta, mas se desfaça ao toque.

Continue misturando com vigor (lembra do filho da puta do seu chefe? Essa é uma boa hora pra pensar nele) até obter uma massa uniforme, mas um pouco grudenta.

Retire-a da vasilha e coloque sobre uma bancada.

Sove a massa fazendo o seguinte movimento: Com a palma da mão traga a massa até você…

E empurre para a direita…

Repita o mesmo esquema usando a outra mão, dessa vez para a esquerda. Com o tempo buy clomid você vai começar a pegar a manha e conseguir fazer com velocidade…esquerda, direita, esquerda, direita…

Coloque força no processo, pense em coisas boas – ou não – mas mantenha esse ritmo por cerce de 20 a 30 minutos, até que a massa fique bem elástica e lisa.

Coloque a massa sobre um prato e cubra com um pano limpo, deixando descansar por uma hora, até que ela dobre de volume

Com muita delicadeza corte a massa em quatro partes, sove mais uma vez cada uma por 10 minutos e deixe descansar novamente por mais uma hora, coberta com o pano limpo. Quando estiverem grandes e leves  – elas crescem mais ainda! – forre uma assadeira com papel manteiga e coloque os pedaços de massa sobre ele. Asse me forno pré aquecido a 180 graus por 25 a 30 minutos ou até que você espete ele com um palito e ele saia limpo. Sim, pasme, é como um bolo!

É legal você reservar uma assadeira por pão, pois eu coloquei todas juntas e elas apesar de crescerem, grudaram uma na outra.

Cubra com fubá enquanto levitra online ainda estão quentes…

E as sirva ainda quente, acompanhada de manteiga ou geléia.

Pra quem ficar com vontade de experimentar o Lapsang Souchong e todos os outros chás que vou mostrar aqui, é só ir à Loja do Chá, que fica na Av. Brig. Faria Lima, 2.232, 3° piso – Shopping Iguatemi em São Paulo, de segunda a sábado das 10h às 22h e nos domingos das 14h às 20h. Dúvidas no telefone 3816-5359.

Qual será o próximo?

chefaporter.com.br | powered by WordPress with Grace Comunicação