Molho Béarnaise (com um bife e tanto)

Jogo rápido porque a receita é boa e o post tem foto pra cacete.

Nota 1 – Essa é um receita carnívora, lotada de manteiga e ovo, acompanhada por um abuso alcóolico grave com amigos. Sugiro que você repita a receita sob as mesmas condições de temperatura e pressão. Se você não gosta de carne (tem dó, pena, não digere e afins) ou luta de uma forma obsessiva e escrota contra a balança, sendo incapaz de aproveitar uma boa refeição, esse post não é pra você. De verdade.

Nota 1.2 – Molho Bearnaise (que nasceu na cidade de Béarn – França) é um molho a base de ovos e manteiga, temperado com uma redução de vinagre de vinho branco, pimenta do reino preta em grão, estragão fresco e cebola branca picada. É algo como uma maionese de manteiga, ligeiramente ácida, mas que combina de uma forma que não dá pra explicar com a gordura da manteiga. É uma bica do fígado, não dá pra comer todo o dia, mas é algo pra fazer parte da vida.

Pra começar, o molho Bearnaise.

Ingredientes:

- 200 gr de manteiga

- 350 ml de vinagre de vinho branco

- 1 cebola branca pequena

- 1/2 maço de estragão

- Pimenta do reino preta em grão a gosto

- 4 gemas de ovos caipiras

Modo de preparo:

Comece clarificando a manteiga (ou seja, retirando sua gordura e buy priligy online impurezas) para fazer o molho. Basta aquecer a manteiga lentamente em uma panela em fogo bem baixo, até que derreta por completo e toda a sua gordura suba a superfície.

Desligue então o fogo, e com a ajuda de uma colher, retire a gordura, deixando a manteiga bem amarelinha. Se você preferir retirar toda a gordura, é só passar a manteiga em um filtro de papel para café. Eu gosto de deixar um pouco porque gordura é amor, é sabor, gordura é coisa linda de deus.

Reserve a manteiga e parta pra próxima etapa: A redução que vai temperar todo o molho. Pique a cebola em cubos bem pequenos.

E junte ao vinagre de vinho branco e a pimenta do reino em grãos, em uma panela no fogo baixo.

Deixe a mistura ferver até que seu volume se reduza em 1/4. Uma dica bacana pra perceber quando tudo está no ponto é a cor: O vinagre ganha um tom caramelo escuro, tendo um cheiro rico e perfumado, porém intenso. É como ter uma bomba de gás lacrimogêneo na cozinha, só que dessa, você não vai querer sair do lado.

O resultado, depois de coado, é esse: Pouco volume, mas lotado de sabor. Mais fácil de incorporar ao molho, menos chances de dar errado, garantia de sucesso no final.

Deixe mais essa etapa de lado e se concentre agora nas gemas. Eu sempre uso ovos caipiras, porque eles deixam o molho com uma cor mais bonita, além de não terem cacete-deus-sabe-lá-o-que misturados. Eles custam um pouquinho mais caro, eu sei, mas a diferença é gritante. Bom…

Usando um fuet, bata os ovos até que fiquem cremosos e bem espumosos, o que demora em torno de 10 minutos. Você pode usar uma batedeira, não tem problema.

Quando as gemas estiverem assim…

Comece a adicionar a manteiga bem devagar, com a ajuda de uma concha. Nessa hora, a melhor coisa é pedir pra alguém ir despejando a manteiga aos poucos, enquanto você emulsifica a mistura. Essa é a parte mais complicada da receita, já que o molho pode desandar e você tem que começar tudo do zero. Pra garantir que isso não aconteça, o segredo é bater sem parar (mesmo!) misturando a manteiga aos poucos. Respeitando essas duas regras, você vai se dar bem com certeza.

Quando o molho estiver firme, porém cremoso….

Tempere a mistura com o estragão fresco. Retire todas as suas folhas…

Nota 1.3 – O estragão (Artemisia dracunculus) é uma erva aromática com um gosto herbáceo e fresco bastante intenso, ideal para compor molhos e acompanhar pratos com peixe de carne branca. Ele é um pouco difícil de ser encontrado, mas vale a pena procurar. 

E as pique grosseiramente, com a ajuda de uma faca bem propecia online afiada.

Quase lá! Por último, tempere  a mistura de ovos e manteiga com o estragão fresco picado e a redução de vinagre de vinho branco, acrescentando-a aos poucos e batendo sempre, para emulsificar por completo o líquido na gordura. Por último, tempere com sal a gosto e reserve, cobrindo o molho com filme plástico. Isso evita que uma película se forme sobre o molho, mantendo-o sempre lisinho e sem grumos.

Agora, um bife e tanto.

Ingredientes

- 2 bifes anchos (do açougue do seu coração)

Eu escolhi um lindo, fodástico, ignorantemente bonito bife ancho da Bonsmara, bem alto e lotado de gordura entra as fibras, o que garante que a carne fique suculenta e úmida durante o cozimento, já que a gordura derrete e irriga a carne por dentro.

Antes de fritar o bife, eu prefiro não colocar sal nele por um motivo: Enquanto frita, a carne não perde nenhum suco natural, já que o sódio do sal, retira a água dos alimentos. Pode parecer bobo, mas faz toda a diferença do mundo.

A única coisa que você tem que fazer, é aquecer muito bem uma frigideira com um pouco de óleo e colocar o bife de uma vez, deixando ele quieto. Não cutuque, vire, fure (pelo amor de deus!) ou pressione a carne. Deixe ela quietinha que o fogo e o tempo fazem o trabalho.

Um bife de 250 gr demora entre 3 e 4 minutos, de cada lado, pra ficar ao ponto. Se você gosta dele mais passado, deixe mais tempo (um pecado), se não, basta deixar menos tempo. Simples assim.

Vire então o bife e frite do outro lado, até que ganhe as mesmas marcas. Depois de fritar (mesmo que você esteja morrendo de fome), é muito importante deixar a carne descansar de 3 a 4 minutos, antes de cortar.

Por milf porn que? Se você deixa a carne descansar, todos os sucos da carne que migram para o centro dela enquanto ela cozinha, tem a chance de assentar e voltar a ficar distribuída pelo bife. A diferença, é uma carne que não solta litros de líquido (o que aposto que acontece na maioria dos churrascos que você vai), ficando mais saborosa e suculenta, derretendo na boca.

Passado esse tempo, é só fatiar usando uma faca bem afiada…

E servir com um buy clomid online pouco de molho.

Inacreditável. Tão bom, que você precisa de um tempo pra processar.

Faça, reuna seus amigos e aproveite a vida. No final, buy levitra é isso que vale a pena.

Não Compre, Plante

Uma coisa que sempre tive em casa desde pequeno é um canteiro de ervas.

Tá certo que agora não tenho um, mas morar em um pequeno apartamento no centro de São Paulo não é nenhuma desculpa aceitável, já que muitos cozinheiros-amigos que tenho e que vivem da mesma forma, fazem seu canteiro de ervas na beira da janela, dando um ar leve a que vê e um perfume pelo apartamento que me lembra a infância.

O canteiro de ervas que vou retratar aqui não é meu e sim de meu pai, que sendo um cozinheiro diário planta suas ervas exatamente ao lado da cozinha. Também mantém uma relação de afeto e ciúmes um pouco estranha com um pé de manjericão, sendo que só ele pode remexer ou podar a tal moita aromática.

Pois muito bem, a idéia é a seguinte: Tendo você um quintal ensolarado, uma laje ou mesmo uma beira de janela, vou sugerir quais ervas acho indispensável ter, além de como cuidar buy clomid delas. E cuidado com o velho ditado italiano que diz que quem planta alecrim e esse não nasce e cresce, tem o coração ruim.

Alecrim – Originário da região do mediterrâneo, o alecrim pode ser usado principalmente em assados com cordeiro, vitela, carne de porco e frango. Possuí um aroma doce e leve, sendo usado também em sobremesas ou salpicada sobre o fogo quando se prepara um churrasco. Não possui muita regra para ser plantada, pois se fixa com extrema facilidade e rapidez. É necessário molha-lo um dia sim e no outro não, devendo ficar metade do dia na sombra e a outra metade na luz do sol.

Manjericão – Nativo da Índia, o manjericão é uma erva de folhas verdes, pequenas e macias. Tem um uso bastante vasto, podendo ser usado em saladas, sanduíches, frango (esse muito bom com um pesto bem forte) e claro no molho de tomate, um de seus usos mais clássicos que resultam em uma combinação mais que perfeita junto ao macarrão. Deve ser plantado em uma área ensolarada, mas não suporta frio, geadas ou calor excessivo. Também deve ser regado diariamente e suas flores e pequenos botões precisam ser podados diariamente, já que tais enfraquecem o seu crescimento e leva o pé de manjericão a morte.

Sálvia – Também de origem mediterrânea, pode ser encontrada desde a costa sul da Espanha, passando pelos litorais franceses e italianos. Tem seu uso um pouco restrito, já que preparações que levam a sálvia não tem espaço para mais nenhuma erva devido ao seu forte sabor. Vai muito bem com carne de porco, carnes de caça em geral e massas. Como o alecrim, não possui muita regra para ser plantada, pois se fixa com extrema facilidade e rapidez. É necessário molha-la um dia sim e no outro não, devendo ficar metade do dia na sombra e a outra metade na luz do sol.

Tomilho – Pode ser encontrado desde o oeste da Europa, até o sudeste da Itália. Tem um uso também um pouco restrito como a sálvia já que seu sabor é um pouco forte, mas acompanha muito bem assados de cordeiro, frango, porco, além de cozidos e molhos em geral a base de carne. É uma erva que precisa de muitos poucos cuidados, preferencialmente plantada em terrenos secos, sendo resistente ao sol intenso e a falta de água. O excesso de água causa à queima das folhas inferiores e consequentemente a morte da planta.

Estragão – É encontrada naturalmente em vastas áreas do Hemisfério Norte: Do leste da Europa ao centro e ao leste da Ásia, no oeste da América do Norte e espalhada de norte a sul da Índia e do México. Acredita-se porém que a presença do estragão na América do Norte tenha resultado de sua introdução pelas grandes migrações pré-históricas de pessoas a partir da Ásia. Tem seu uso principal na culinária francesa no famoso molho bernése, mas também sendo muito bem usada em peixes delicados como o linguado e em carnes de como a vítela ou rãs. Seu cultivo é relativamente fácil, sendo necessário molha-lo um dia sim e no outro não, devendo ficar metade do dia na sombra e a outra metade na luz do sol.

Orégano – Originária também da região mediterrânea, é uma erva incrível quando consumida fresca. Possui quase que as mesmas características do manjericão só que menor, mais suave e com uma coloração de verde mais opaca. Muito aromática e saborosa, tem seu uso em assados de carne de porco e caça, além de saladas e sanduíches. Como a maioria das ervas mediterrâneas, seu cultivo é relativamente fácil, sendo necessário molha-lo um dia sim e no outro não, devendo ficar metade do dia na sombra e a outra metade na luz do sol.

Canteiro de Ervas

chefaporter.com.br | powered by WordPress with Grace Comunicação