Ovos Benedict (com molho holandês de manteiga noisette)

Já vou avisando: Essa é uma receita gorda. Bem gorda.

Se você é um daqueles pentelhos(as) que vive de dieta e não quer arrasar com ela, como uma granada largada sem pino, dentro de uma máquina de lavar roupas, sugiro que você não continue a leitura e vá seguir a sua rotina de corrida / yoga / triathlon / dieta dukan / sei lá mais o que você anda fazendo.

Agora, se você como eu, acredita que a moderação é o tesouro do sábio, vai adorar . Esse é um prato ideal pro começo do outono, onde a temperatura começa a cair e a necessidade (vontade disfarçada de gordice) de coisas mais “substanciosas” digamos assim, se faz necessária.

Vamos deixar de lado, a história completa dessa receita, afinal, ela é comprida pra cacete e começa no século 19 em Nova York.

A história resumida, é que esse foi o pedido de um corretor da bolsa de valores aposentado chamado Lemuel Benedict, que depois de tomar umas e outras e acordar com uma tremenda ressaca, entrou no hotel Waldorf em 1894 e pediu ao maître d’hôtel uma opção com pão, ovos, bacon e um toque de molho holandês, pra rebater o abuso alcóolico da noite anterior.

Depois disso, é um diz que me diz tremendo, com muita gente (e estabelecimentos) reclamando a invenção da receita.

Pulemos essa parte e vamos ao que interessa.

Pra se fazer a coisa toda do jeito certo, como manda o figurino, você vai precisar preparar o molho holandês, que é um dos cinco molhos clássicos da cozinha francesa. Dele, você pode fazer milhares de variações, ideais para acompanhar vegetais, carnes, aves, peixes e por aí vai.

Se você tiver curiosidade de aprender mais sobre esse molho, suas variações e uma porrada de outros, recomendo que você compre um livro chamado “Receitas de Molhos” do fodástico chef francês Michel Roux (editora Larousse). Vale a pena cada centavo.

Voltemos.

A versão que preparei a seguir, que foge um pouquinho da clássica, é feita com manteiga noisette, que nada mais é que uma manteiga “queimada” até certo ponto, quando desenvolve um sabor e aroma muito próximos ao da avelã (coisa linda!). O preparo dessa manteiga já apareceu aqui no Chef à Porter antes, por isso, vou pular alguns passos até a foto abaixo. Se você tiver alguma dúvida, é só voltar lá.

Com a manteiga noisette já pronta

IMG_2810

Separe três gemas de ovos caipiras

IMG_2815

E com a ajuda de um fuet, sobre uma panela de água fervente, bata-as vigorosamente até que fiquem bem leves, esbranquiçadas e cremosas. É importante bater rapidamente as gemas, se não, elas não podem cozinhar por igual e acabar virando ovos mexidos, repletos de pelotas.

Se iss buy clomid o acontecer, bau bau. Descarte as gemas e recomece o processo (ou aproveite pra comer uns ovos mexidos)

IMG_2820

Com essa etapa cumprida (e sem pelotas), acrescente aos poucos a manteiga noisette até que o molho fique encorpado e com uma cor levemente “tostada”.

IMG_7073

Seu molho ficou igual ao da foto? Parabéns, você está no caminho certo! Se ele ficar liso, porém muito grosso, acrescente meia colher de água quente e bata rapidamente, até que o molho fique cremoso, com uma textura macia. Tempere com sal, pimenta do reino preta moída na hora e algumas gotas de limão a gosto. Reserve até a hora de servir.

IMG_2831

Com o molho pronto, o resto é moleza.

Faça dois ovos pochê, com a gema bem molinha (não sabe como fazer essa delícia? Calma, eu ensino!)

IMG_2842

Toste uma torrada até ficar dourada, frite algumas fatias de bacon ou pancetta (minha opção favorita)

IMG_2843

Coloque os ovos pochê sobre elas e coroe com o molho holandês (sem exageros, uma colher de sopa cheia da conta do recado).

IMG_2846

Será que fica bom? Me digam vocês.

IMG_2850

Por Tutatis! Capelettis de Javali!

Aconteceu em uma tarde dessas onde o frio é cruel e você só sente vontade de beber garrafa atrás de garrafa do milagre que escorre pra fora dela, seja ele qual for.

Recebi um telefonema que depois de uma breve conversa, virou um convite para conhecer algo não só singular, mas também pra ter certeza que ainda existem muitas coisas a se descobrir aqui e ali, entre os prédios cinzas da cidade e o céu esfumaçado e brilhante pelas lâmpadas de sódio.

Depois de trabalhar as oito horas que o contrato manda, me enfiei dentro do trem e sacodi um pouco pra cá e pra lá, até chegar no que realmente interessa:

Tá certo, não é nada de comer eu confesso, só mesmo uma porção de livros de arte que não tinha como não abraçar e querer ficar lendo e babando em cima. Mas como pra isso eu ia precisar de um bocado de vinho e tempo, vamos deixar pra outra hora.

O motivo principal de toda essa história é mostrar a vocês, caros leitores glutões, essas belezuras aqui:

Dai você pensa: Capeletti! Grande coisa! Comi ontem na casa da minha avó!

Mas nããããããããããããããããoooooooo!!!! São capelettis de javali meus caros!

A responsável por essas belezas é a minha amiga Adriana Aranha, que os faz na sua casa como todo o esmero e atenção. E sabe qual é a melhor parte? Você pode encomendar a quantidade que quiser, de kg a toneladas, e ela entrega pra você fresquinhos, com a massa recém sovada e o recheio de derreter na boca.

Acompanhei a coisa toda de perto: Como o monte de farinha e ovos virou como mágica uma massa fininha, depois de sovada e passada na máquina de macarrão

Como eram feitos com a maior dos caprichos…

E depois enrolados um a um, como manda o figurino

Precisa dizer priligy online mais?

Apesar de contar como a coisa é feita, não vou colocar nenhuma receita por aqui, afinal de contas, se alguém tem todo esse trabalho e amor, nada melhor do que recompensa-la com algum pra que ela possa continuar em frente e você, possa continuar aproveitando essa belezura em casa.

Se você já está pensando “como é que eu descolo isso?”, basta escrever para a Adriana, no adriana@aranha.art.br e fazer o pedido de acordo com a sua fome. O pedido mínimo é de 500 gr (que serve bem duas pessoas) pelo preço de R$ 40.00 reais. Uma bagatela!

Acho que vou fazer os meus com manteiga propecia online de sálvia e mel…

Couz-couz de Fubá com Lulas e Ratatouille

Marmita, quentinha, bóia-fria…Tem coisa mais gostosa que comer a comida da nossa casa em qualquer lugar?

Eu adoro. Sempre quando cozinho a noite depois do trabalho, faço uma quantidade maior do que vou comer só pra sobrar e poder levar o resto pro trabalho no dia seguinte. No dia em que comi, preferi ela fria como uma salada bem rica, mas se você preferir pode esquentar um pouquinho, fica muito gostosa também.

Couz-couz de Fubá com Lulas e Ratatouille

Ingredientes:

– 3 cebolas roxas grandes

– 6 dentes de alho

– 1 pimentão vermelho

– 1 pimentão verde

– 1 pimentão amarelo

– 1 abobrinha grande

– 1 berinjela grande

– 500 gr de lulas (só o corpo, sem os tentáculos)

– 150 gr de couz-couz de fubá

– Cebolinha a gosto

– Vinagre balsâmico a gosto

– Sal a gosto

– Pimenta do reino moída na hora a gosto

– Azeite extra-virgem a gosto

Modo de Preparo:

Antes de tudo e qualquer coisa, comece cozinhando o couz-couz. Mostrei aqui no blog como é que se faz esse processo, mas se você não lembra não tem problema, só dar uma olhada aqui. Com 150 gr de couz-couz cru, você vai ter em torno de 300 gr dele cozido, o que dá uma boa proporção pra integrar a receita. Com ele cozido, reserve.

O próximo passo é o Ratatouille. Em uma panela grande aqueça uma boa quantidade de azeite. Descasque e corte as cebolas roxas em fatias médias e mande pra dentro da panela.

Uma chiação das mais gostosas vai começar e aquele cheiro de cebola fritando que você usaria como perfume vai se espalhar pela casa toda. Mexa a cebola até que ela comece a ficar translúcida e macia, acrescentando em tal ponto o alho.

Como sempre digo por aqui, não pique demais o alho ou ele vai queimar com mais facilidade e amargar a receita. Nesse caso eu preferi cortar em fatias finas, assim elas liberam o seu sabor aos poucos e você pode senti-las quando for comer. Vá mexendo a panela de vez em quando não deixando que grude no fundo, já que a parte queimada amargaria a receita e estragaria todo o seu lindo trabalho.

Retire propecia online as sementes dos pimentões e corte-os em fatias finas e acrescente a panela. Primeiro o vermelho, depois o amarelo…

E depois o verde

Você agora deve estar olhando pra panela e pensando:  “Cacete, a panela tá quase transbordando e ainda tem muita coisa pra colocar, isso não vai dar certo”.

Vai sim rapaz, calma! O que você precisa fazer e cozinhar os pimentões até que eles murchem e se tornem uma massa colorida e perfumada que vai abraçar a cebola e o alho. Abaixe o fogo até o mínimo e espere que os pimentões percam parte do seu volume, mexendo a panela de vez em quando.

Quando eles chegarem nesse ponto, é hora de entrar com o resto dos ingredientes. Acrescente a abobrinha cortada em cubos pequenos…

Seguida do berinjela, também em cubos pequenos.

Cozinhe os dois vegetais da mesma forma que o pimentão: Em fogo baixo e mexendo de vez em quando. Nessa hora a receita pode perder um pouco de líquido já que a berinjela funciona como uma esponja, absorvendo todos os líquidos que estão na panela. Não precisa ficar aflito nem ir correndo acrescentar mais azeite a receita, já que grande parte desse líquido vai sair de novo da berinjela quando ela estiver cozida, dando aquela textura cremosa e somando sabor a receita. Se mesmo assim você quiser ele mais molhadinho – eu prefiro assim – acrescente mais azeite, mas por favor, vá com calma!

Depois de 10 à 15 minutos cozinhando, você vai ter algo mais ou menos assim…

Sendo o ratatouille um prato típico da Provence na milf porn França, nada melhor do que temperar com algumas ervas de Provence. Se você não as tiver, não tem problema, é só colocar um galinho de alecrim, um de tomilho, um de mangerona, um de manjericão e uma folha de louro que o resultado é o mesmo.

Acerte o sal e pimenta do reino moída na hora e mais nada, está pronta a primeira parte.

Agora é hora das lulas! Corte-a em pequenos anéis de aproximadamente 1 cm de largura, tempere com sal e pimenta do reino moída na hora…

Aqueça um frigideira com um fio de buy levitra azeite e frite-as rapidamente. Quando eu digo rapidamente, é rápido mesmo! Demora cerca de 30 segundos pra que elas fiquem macias e tenras. Se você cozinha-las demais elas vão ganhar a textura de chiclete e vão estragar todo o trabalho que você teve até agora. Por isso, atenção!

Junte então o ratatouille as lulas…

Misturando por último com o couz-couz qu clomid online e a essa altura já deve estar frio. Corte a cebolinha em fatias finas e some, misturando bem todos os ingredientes.

Acerte mais uma vez o sal e a pimenta do reino moída na hora e regue com uma boa quantidade de azeite, colocando dentro da marmita que você vai usar.

Ficou faltando só a soneca depois do almoço.

Próxima Página »
chefaporter.com.br | powered by WordPress with Grace Comunicação