Você já comeu ________?

Vamos lá. Valendo uma gin tônica e uma massagem com toalha quente na cara.

Você sabe o que é isso?

Quem já levantou o braço e disse “Lagosta!” errou. Mas não por muito, fique tranquilo.

Vamos afastar um pouquinho mais a imagem. Será que agora alguém acerta?

Ainda pensando “mas que p*** é essa?”

Vamos lá, última chance. Aposto que agora você mata.

Pra quem acha que isso não é nem de comer ou resultado de algum despejo ilegal de césio 137 no litoral, apresento o Scyllarides latus, também conhecido aqui no Brasil (pelo menos em São Paulo) como “Sapata”. Esse curioso animal pode ser encontrado no mar mediterrâneo e no oceano atlântico, e como você pode ver, não tem nenhuma garra ou pinça pra chamar de sua. Por isso sai somente a noite das cavernas e pedras que habita para se alimentar de pequenos molúsculos.

Sua carne, apesar de um pouquinho diferente da lagosta, é muito saborosa e delicada, devendo ser cozida com cuidado para não ficar dura e borrachenta. 

Quando for comprá-las prefira aquelas com um aspecto brilhante, que estejam com o corpo firme e cheiro de água do mar. Sapatas, e mesmo crustáceos de uma forma geral, não estão legais quando seus corpos estão moles demais, suas patas ficam dançando no ar e seu cheiro não é dos melhores.

Bom, agora que você sabe tudo sobre esse palatável amigos do mar, seus anseios, medos e aspirações mais íntimos, vamos ao que interessa: como comê-lo.

Peça ao seu peixeiro que corte-os ao meio e tire as entranhas, que ficam na parte de cima da cabeça, nessa região escurecida. Quando chegar em casa, lave as sapatas em água corrente retirando qualquer resto das entranhas e coloque-as dentro de um escorredor de macarrão.

Reserve na geladeira, coberto com um plástico filme

Com as Sapatas prontas pra ir pra panela, se concentre no molho.

Vamos fazer pra acompanhar um “beurre blanc”, um molho clássico da cozinha francesa preparado com vinho branco, vinagre e manteiga. É um dos meus molhos prediletos, com um sabor salgado-ácido que chega ser ofensivo de tão gostoso. Combina muito bem também com peixes de carne branca como linguado ou Garoupa, ou se você for um tarado compulsivo como eu, pode comer mergulhando grandes e esponjentos pedaços de pão fresco nele.

Comece picando 1/2 cebola roxa grande.

E aquecendo uma frigideira com 50 gr de manteiga. Quando a manteiga derreter, frite a cebola nela até que fique macia e translúcida.

Junte então 100 ml de vinho branco de boa qualidade (com champagne também fica ótimo!) 50 ml de vinagre de vinho branco e reduza o fogo ao mínimo possível.

Com a ajuda de uma faca, esmague alguns grãos de pimenta do reino preta para que liberem melhor seu sabor e acrescente-os a cebola com vinho e vinagre.

Depois de 10 minutos em fogo bem baixo, o volume do vinho e do vinagre terão diminuído pela metade, ganhando uma cor levemente rosada por causa da cebola roxa e um perfume que vai preencher cada espaço da sua cozinha. Com a ajuda de uma peneira, separe o líquido da parte sólida, voltando o redução coada para dentro da frigideira.

Agora vem a parte que parece mágica, pura e sincera. Desligue o fogo e acrescente um pedaço de manteiga gelada (mas tem que ser gelada mesmo!) e bata sem parar com a ajuda de um fuet até que a manteiga derreta por completo. O resultado vai ser um molho brilhante, cremoso, aveludado e perfumado que você vai ter vontade de passar na cara de tão bom. Tempere com sal e reserve.

Com o molho pronto, cozinhe rapidamente as Sapatas em um caldeirão com água fervente por 4 minutos. E são 4 minutos mesmo! Você não deve cozinhar muito a carne ou ela ficará borrachenta, tosca e moribunda, algo que ela não é ou merece.

Com a Sapata e o molho na mão, é hora de se esbaldar: banhe a carne branquinha e delicada com o molho ainda quente, preenchendo cada um dos pequenos espaços da casca com ele. Depois, com a ajuda de um garfo, puxe a carne de uma só ver para fora, sorvendo da casca os restos de molho e sucos que o rosáceo filé de carne deixou pra trás.

Será que o pessoal aqui buy clomid em casa gostou?

Elvis Não Morreu, Ele Só Saiu Pra Comer Alguma Coisa

No dia 16 de Agosto, exatamente em 1977, Elvis Presley passava dessa pra melhor enquanto lia no banheiro da sua casa, o que me parece uma forma bastante decente de ir conhecer o grande fazedor de pão, que mora lá em cima.

Vou dizer que comecei a ouvir Elvis mais velho que o de costume. Não me lembro mesmo quando, mas um dia ouvi tocando, fui atrás, e daí pra frente não parei mais de dançar de meia, na sala recém-encerada.

Mas vamos ao que interessa do Rei. O que teremos hoje por aqui é o legado glutônico que Elvis deixou pra todos nós. Um legado grudento, crocante, gordurento e até podemos dizer sujo e trapaceiro.  Um sanduíche de banana, manteiga de amendoin e bacon. Dá ate pra entender porque ele empacotou aos 42. Bom, pelo menos ele aproveitou.

Sanduíche de Manteiga de Amendoin, Bacon e Bananinha Ouro

Ingredientes:

Duas fatias de pão da sua preferência (eu usei baguette)

2 colheres de sopa de manteiga de amendoin (a gringa é a melhor)

1/2 colher de sopa de manteiga

4 fatias de Bacon (daqueles que você compra em tirar bem compridas)

6 bananas ouro

Modo de Preparo

Esse é um sanduíche bem rápido de fazer, onde uma coisa e preparada enquanto a outra cozinha.

Ainda com a frigideira fria, estique sobre ela as fatias de bacon e coloque tudo pra fritar em fogo alto. Você vai reparar que um monte de gordura começa a inundar a frigideira, fazendo com que o bacon comece a boiar, o que não é legal. Retire o excesso de gordura e continue fritando, até ficar assim: Douradinho e crocante de um lado, mas ainda branco do outro.

Quando ele ficar nesse ponto, vire o baicon e deixe que o outro lado fique com um cor caramelo alaranjada tão lindo, que você tenha vontade de passar na cara. Deixe esfriar sobre um papel toalha, pra que escorra o excesso de gordura.

Aproveite a gordura que o bacon deixou na frigideira e frite em fogo alto as bananinhas ouro, até que fiquem douradas e macias. Quando atingirem esse ponto, desligue o fogo e deixe reservado quente. Hora de atacar o creme de amendoim.

A manteiga de amendoim você pode usar aquela que preferir, ou mesmo se não conseguir encontrar, basta pegar um punhado de amendoins e triturar com um pouco de óleo de amendoim, açúcar e uma pitada de sal. Fica a mesma coisa. Eu gosto bastante de uma marca chamada Planters e sempre que sei de alguém que vai pra fora, peço pra trazer uma.

Corte duas torradas da baguette e espalhe primeiro sobre ela um pouco de manteiga, e em seguida, uma camada fina de manteiga de amendoim. Não adianta se emocionar e colocar muito, pois se não vai ficar enjoativo e moribundo, uma chatice escorrendo por tudo quanto é lado.

A hora de se emocionar vem agora. Seja gentil com você mesmo e coloque um dedo de queijo prato, daquele amarelinho de derretência já conhecida. Depois, mande pro forno e espere o pão ficar crocante e o queijo se acomodar por buy priligy online todo lado.

Com o queijo já derretido e o pão crocante, espalhe de um lado o bacon, o partindo em pequenos pedaços e do outro lado as bananinhas ouro, cortadas na metade no sentido do comprimento.

Daí é juntar os dois lados e pronto.

It’s Nooooooooooooow or Neveeeeeeeeeeeeer!!!!

Campus Party e os Hamburguers de Falso Fígado

Tá bom, tá bom….

Eu sei que a Campus Party já acabou há muito tempo e que você já deve ter desencanado de esperar, indo caçar algo melhor pra fazer e comer. Mesmo assim eu não podia deixar de mostrar como a criatividade pode ajudar você a sair de uma situação em que se julgava estar mais fudido que peru em véspera de Natal.

Seguinte…

Imagine que você é convidado a comer um hamburguer. Daqueles lindos, de levar pra cama e chamar de meu amor, recheado de maionese feita na hora, bacon, queijo e qualquer outra coisa que você ame. Imaginou? Agora pense que o hamburguer seria feito de fígado de boi.

Ficou com nojo? Pensou “eu não vou comer isso nem a pau”? Parabéns! Você seria mais um tapeado pelo hamburquer de falso fígado que criei especialmente a pedido do pessoal da Youpix, responsável pelo conteúdo do cubo de conteúdo da Telefônica, durante a Campus Party 2011.

“Mas como assim falso fígado?” E eu lhe digo: É um fígado que não é um fígado, mas se parece com um fígado. Confuso? Dá só uma olhada então…

Hamburguers de Falso Fígado, Maionese Caseira e Cebolas Carameladas

Ingredientes:

R propecia online 11; 1 pão de hamburger

– 200 gr de patinho moído (a melhor carne pra se fazer hamburguer, mas fraldinha também é excelente)

– 3 gemas de ovos caipiras (as claras você guarda pra fazer um suspiro)

– 300 ml de azeite extra-virgem

– 200 ml de Shoyu

– 1 cebola grande

– 50 gr de manteiga

– 2 dentes de alho

R milf porn 11; 1 limão

– Pimenta do reino moída na hora a gosto

Modo de Preparo:

Bom, vamos ao que interessa: Como transformar carne de boi em fígado?

Claro que você não vai de fato transformar uma coisa na outra, mas a idéia aqui é fazer uma coisa se parecer com a outra, enganando até aquele seu primo pentelho que não come nem arroz com feijão.

Não sei se você já viu o fígado de um boi alguma vez no açougue, mas a suas principais características são a cor vermelho escuro e a textura “escorregadia”, digamos assim.

Mas vamos deixar a textura de lado – porque ninguém quer comer um hamburguer que se parece com um sabonete – e nos concentrar na cor, que você vai conseguir dar com o shoyu e uma boa dose de tempo.

Em uma tigela coloque a carne moída…

E em seguida acrescente o shoyu aos poucos, mexendo sempre com a ajuda da mãos

A idéia aqui é incorporar o shoyu dentro da carne moída, que além de dar uma cor bastante escura e muito parecida com o do fígado, ira temperar a carne.

Depois de misturar bem até que todo o shoyo seja absorvido, deixa a carne descansando por cerca de uma hora na geladeira, coberta com filme plástico.

Enquanto isso, é hora de transformar as cebolas em caramelo. Calma que é mais fácil do que você pensa…

Em uma panela de tamanho médio, derreta a manteiga e junte a ela as cebolas cortadas em fatias finas, mexendo de vez em quando até que fiquem macias e translúcidas

Quando elas atingirem tal ponto, reduza o fogo para o mínimo e mexa de vez em quando, dando chance que  a cebola grude no fundo de panela de leve, começando a ficar dourada. Agora que vem o truque…

Tá vendo todo esse dourado no fundo da panela? Você pode até não acreditar, mas tudo isso é o açúcar que está dentro da cebola e que com o calor brando da panela, começa literalmente a caramelizar dentro dela. Pra deixar a cebola com a cor mais forte e o gosto de morrer de bom, acrescente aos poucos água suficiente para soltar a “sujeira” do fundo da panela, e fazer com que cor, aroma e sabor sejam passados todos para a cebola.

Quando a cebola ficar cremosa e der vontade de você esfregar ela no corpo de tão cheirosa, desligue o fogo e reserve.

Ataque a maionese

Em uma vasilha grande, coloque as gemas e as bata até que buy levitra online fiquem aeradass e cremosas, cheia de pequenas bolhas de ar

Agora é o momento da magia e de ter muuuuuuuita disposição.

Para fazer a maionese, você vai ter que bater os ovos e ao mesmo tempo acrescentar o azeite até que ela fique cremosa, com aquele aspecto que você conhece. Quando ela atingir esse ponto, tempere com o sal, pimenta-do-reino moída na hora, o alho picado e o suco de limão.

Como eu acho uma tremenda sacanagem deixar você tentando e tentando até acertar, quem já fez uma maionese e filmou todo o processo foi o Hugo do blog Prato Fundo, sendo buy clomid que a maionese do rapaz  ficou mais do que ideal. A receita é diferente, mas a idéia é a mesma.

Se você fizer tudo certo, como eu sei que você vai fazer, garanto que nunca mais você vai propecia online comprar maionese na vida.

Com a cebola e a maionese prontas, chegou a hora de juntar tudo e ser feliz.

Com a ajuda das mãos – isso aí gente, das mãos! – molde o hamburger do tamanho que você preferir. Compacte bem a carne na forma de um bolinho para que ela não quebre durante o cozimento, dando aquela forma característica que você tanto ama.

Em uma frigideira bem quente, frite os hamburgues até que fiquem no ponto que você mais gostar, só não vale bem passado, pelo amor de Deus. Eu gosto dos meus mugindo, estremamente mal passado mas com uma casquinha crocante.

Com a carne no ponto, cubra os hamburguers com queijo até que ele derreta e pronto. É juntar a maionese e as cebolas da forma como você preferir e se acabar.

Próxima Página »
chefaporter.com.br | powered by WordPress with Grace Comunicação