Vinho pra Tudo: Robalo com Purê de Cenoura, Beurre Blanc de Erva Doce

“Não existe amor mais sincero do que aquele pela comida”. Bernard Shaw disse isso. Provavelmente sentado no fundo de algum pub em uma mesa carcomida pelo tempo, enquanto soluçava o último gole de cerveja, olhava pro fundo do copo e pensava na torta de rim que logo esfumaçaria o salão e chamaria a atenção dos bêbados habituais do lugar.

Eu amo comer. Vamos deixar isso bem claro. Mas também amo beber. E quando a Casa Flora me convidou pra cozinhar e beber ao mesmo tempo, não teve como dizer não.

Vinho pra mim é algo – não uma coisa, por favor – que transborda do copo na hora que você roda sobre a mesa, espalhando pelo lugar sua personalidade e vontades. Pode ser como alguém que faz você ficar abismado pela forma como sorri, uma amiga gostosa que usa um vestido de fácil acesso e convida você pra um passeio pelo jardim ou uma criança pequena que aperta a sua mão com medo, mas com a certeza de que logo, tudo vai ficar bem.

Vinho é como aquela montanha-russa foda pra caralho, mas que você não pode deixar de ir. Vale a pena cada instante.

Pra melhorar, só comendo algo que faça a gente fechar os olhos, se calar por um instante e só se sentir bem, seja com os amigos sentados a mesa ou mesmo sozinho, como tantas vezes eu fiz mesmo depois de voltar do restaurante, tendo passado horas e horas com o umbigo encostado no fogão, suando as bicas e atacando comanda atrás de comanda.

Cozinhei um robalo com purê de cenoura e beurre-blanc de erva doce que fez a minha alegria, como espero que tenha feito a noite de quem provou. Dessa vez, não tem receita, mas a minha pessoa e a gigantesca cabeça que ostento falando da experiência. Dá só uma olhada:

Ficou interessado? Dá pra saber aprender muito mais na página da Casa Flora.

Risoto

É chegada à hora!

Se você como ¾ da humanidade vai até um restaurante e paga uma pequena fortuna por um bom risoto, saiba que você foi enganado a vida toda. Além de ser muito fácil de fazer, o modo de preparo do arroz é a mesma e você não precisa comprar aquele gorgonzola ou azeite trufado para ter um bom risoto. Claro que é preciso usar o bom senso, não vá colocar algo sem gosto como chuchu, por favor. O que vale aqui é a criatividade em transformar um ingrediente trivial em algo novo e incrível, gastando pouco ou usando até mesmo o que você já tem na geladeira. Ontem à noite preparei aqui em casa – aproveitando o clima de urso polar que fazia – um de cogumelos porcini.          Eu sei que não é uma coisa que todo mundo tem em casa, mas ter um lado italiano na família garante esse tipo de ingrediente permanentemente na sua dispensa.

Risoto Porcini

Ingredientes:

– 200 gr de arroz arbóreo

– 100 gr de manteiga

– 1 cebola grande picada

– 2 dentes de alho picados

– 200 ml de vinho branco seco

– 250 de cogumelos porcini desidratados

– 500 ml de água morna

– Salsinha a gosto

– Azeite buy propecia a gosto

Nota: Esse tipo de cogumelo você não vai conseguir achar fresco, somente seco. Usei italianos na receita, mas chilenos ou uruguaios (que são bem mais baratos), não fazem feio e garantem um bom resultado.

Modo de Preparo:

Em uma recipiente junte a água com os cogumelos e espere que eles hidratem, o que leva cerca de dez minutos. A seguir retire os cogumelos da água e os pique grosseiramente, reservando também a água em que eles foram hidratados. É com essa água que adquiriu uma cor escura, um perfume e sabor pronunciado dos cogumelos que você vai cozinhar o risoto.  Em uma frigideira aqueça o azeite e doure o alho, acrescentando em seguida os cogumelos. Quando eles ficarem macios, reserve.

Já pro alho!

Em uma panela grande em fogo médio comece derretendo 50 gr da manteiga e dourando a cebola. Uma observação bacana é que quanto mais você dourar a cebola, mas potente será o gosto dela dentro do risoto. Como o risoto é de porcini e tem assim um sabor forte, doure a cebola com gosto, acrescentando o arroz em seguida.

Cebolas douradinhas...é a hora do arroz

Mexa a mistura por cerca de dois minutos sem parar, acrescentando então o vinho branco.

A hora do vinho

Abaixe então o fogo e comece a mexer o arroz sem parar. Você vai reparar que o amido do próprio arroz começa a fazer ele ficar cremoso e que muito vapor vai ser liberado nessa hora. É nele que está a “deixa” para se colocar o caldo. Quando o vapor não tiver mais um cheiro pronunciado de álcool do vinho, junte a água dos cogumelos.

Colocando o caldo...

Não pare de mexer!

A proporção áurea do risoto é sempre uma parte de arroz por três de líquido, mas o que vale aqui é o já famoso exercício de observação e prova. Vá acrescentando líquido aos poucos e provando o arroz até que ele esteja no ponto em que você preferir. Mais firme, mais cozido, não importa, só importa como você gosta e com quem vai dividir.

Pronto! O arroz chegou aonde você queria. Desligue o fogo e acrescente o restante da manteiga, mexendo sempre. A manteiga buy priligy online vai dar um brilho bonito ao risoto e um sabor e textura aveludados.

Cubra o risoto com os cogumelos e salsinha. E nada, é comer e ser feliz.

É só abrir o vinho

Interior

Interior. Tem coisa melhor? Depois de muito tempo longe, consegui voltar pra ele. Acordar cedo e ver o sol amarelo-gema batendo no pasto verde, aquele cheiro de madeira queimando no fogão a lenha e de café com pão assado na hora. Não me entendam mal, por favor, amo São Paulo e tudo que existe dentro dela (entenda-se aqui pessoas, lugares, situações, gostos, cheiros), mas o mato às vezes me chama. Como eu não gosto de magoá-lo volto correndo cada vez que ele me convida. As garrafas de vinho rolam soltas, andar de meia e enrolado no cobertor também vale, com cheiro de saudade e gulodices sem fim. Entre essas gulodices vou descrever aqui o que na minha opinião é a sopa maia fácil e deliciosa do mundo. Você não precisa ficar em cima dela o tempo todo. Pode deixar ela correr solta, como uma tarde de sábado.

Sopa de Cebola

Ingredientes:

– 10 cebolas

– 100 gr de manteiga

milf porn 200 gr de farinha de trigo

– 1,5 litros de leite

– 500 de caldo de galinha

– Sal a levitra online gosto

– Pimenta-do-reino buy clomid moída na hora a gosto.

Modo de Preparo:

Descasque as cebolas e as corte em fatias finas. Aqueça uma panela e adicione a manteiga, buy clomid online somando as cebolas quando ela tiver derretido completamente.

Mexa constantemente as cebolas até que elas murchem, fiquem translúcidas e soltem todo o seu aroma ardido (dica! Não fique com a cabeça sobre a panela ou você vai chorar como em um casamento). Quando as cebolas ficarem murchas e translúcidas, aí é o momento do truque: Abaixe o fogo da panela e deixe que as cebolas caramelizem, mexendo de vez em quando e soltando todas aquelas cebolas douradinhas que grudam no fundo da panela. Esse processo demora um pouco, então não fique afobado sobre a panela querendo acabar logo, vá com calma. Pra mim, o tempo certo das cebolas ficarem prontas é o mesmo tempo que eu demoro pra beber meia garrafa de vinho. Quando as cebolas estiverem no ponto acrescente a farinha de trigo e mexa constantemente até que a farinha obtenha um aspecto também dourando. Acrescente então o leite e mexa bem para dissolver toda a farinha que envolve as cebolas. Cozinhe a sopa em fogo baixo por cerca de 20 minutos ou até que o gosto de farinha tenha desaparecido por completo. Acerte então a textura da sopa com o caldo de galinha (normalmente a sopa feita só com o leite fica muito grossa, sendo necessário acrescentar uma quantidade de caldo de galinha para que fique como um creme liso). Tempere com sal e pimenta-do-reino moída na hora e bata a sopa no liquidificador ou com um mixer para que fique bem lisa.

Sirva com um pão estalando de crocante e bem douradinho.

chefaporter.com.br | powered by WordPress with Grace Comunicação